Pintado a cinzento


Os dias cinzentos de chuva são dias de espera.
São dias de coração apertado.
Pelas janelas corre um choro demorado.
Não se vê mundo à frente.
Espreito lá para fora e aguardo algum movimento na rua.
As entradas e saídas do supermercado e do café são raras.
O senhor que habitualmente passeia o cão na zona ajardinada com sinal de proibição ainda não apareceu.
Oiço a voz da vizinha atarefada do terceiro andar, que desce as escadas a correr e enfia os filhos à pressa no carro para não chegarem ensopados à escola.
As rotinas atrapalham-se.
Começa o baile de chapéus-de-chuva no ar.
As poucas caras que aparecem, baixam-se para não verem o horizonte enegrecido ou estão de fugida.
Os casacos pesam nos ombros, pingões, e a marcha parece morosa.
O sol não brilha e o dia não quer acordar.
Segue uma ritmo nervoso.
O meu gato porém está divertido, a apanhar gota a gota. Acha-lhes graça.
A chaleira lá dentro acusa que a água para o chá já ferveu.
Despeço-me da paisagem e desenho um dia brilhante na chávena quente....
O pequenito, pata ante pata, acompanha-me.





Comentários