Brilho

Sempre à espera que os seus dias brilhem!

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Mulher sofre...ó se sofre



Ontem decidi que para o nosso primeiro aniversário, havia de vestir uma coisinha sexy.

Hoje quando me vi ao espelho achei que o meu conceito de sexy não está muito apurado.
Meias opacas, porque combatem mais o frio, saia lápis xadrez, camisola de gola alta vermelha, cinto a marcar a cintura e sapatos pretos de camurça com mais de cinco centímetros. Olhos espintalgados, cabelo um pouco ripado, preso num perfeito apanhado. Sobretudo preto.

Bem, pelo menos tentei. Espero que o visual faça o efeito pretendido. Afinal, quem dá o que pode a mais não é obrigado.

Agora, no final do dia, metade da produção já se foi. O blush foi com toda a certeza chupado pelos ácaros da papelada que me andou a rodear, as meias já estão um bocado para o espatifado e os saltos....ai os saltos....até tenho calafrios, com os apertos que me estão a dar.

Seis graus lá fora. Mulher, ganha coragem. Sobreviveste de manhã, ou não?

Desliguei o computador, arrumei pastas e dossiers, pus a marmita dentro do saco, fiz a última ronda do dia, despedi-me da Luísa, que fica sempre a trabalhar até mais tarde e fui andando.

Em passos de gueixa, dirigi-me para o elevador e desci até ao atrio. Já a pensar no tempo que havia de esperar fui tratar de "pendências" pela área e regressei cabisbaixa e enregelada.

Não fechem as portas do congelador que não é preciso. Só tu. Sainha trolaró num dia destes!!! Se não reconheces mérito a este empenho és homem morto.

Sentei-me nuns bancos, em modo abandonada e para não deixar o tédio apoderar-se por completo das minhas entranhas (já que o frio havia congelado os neurónios) decidi dedicar-me á cóltura.

Vá,  vai lá ver, com "olhos de ver", a exposição que aqui está patente há meses.

Numa voltinha aos trabalhos concluí que aquela mulher parecia adivinhar o que me ia pela cabeça.




                                          "Sonho, rio, corro o mundo", de Ana Isabel Isidoro.

Pois é isso mesmo que apetece fazer. Artista que é artista tem sempre a sua razão.

Às oito da noite, feita gata borralheira, minha menina, está mais que certo que não vais correr mundo. Também não vais pintar. Então deixa-te de tretas e sonha, sonha!

Anda-me a fazer falta sonhar mais acordada, rir mais e planear com cabeça tronco e membros aquela viagem ao Douro com o Carlos. Não precisamos de correr o mundo inteiro quando ainda não conhecemos os cantinhos todos à nossa casa.

Este ano, eu, ele e a natureza. Douro, abre alas que se faz tarde. Chegam cinco dias úteis, numa casa de turismo rural para fazer reset.

Fiquei alí à espera que ele chegasse para irmos jantar ao restaurante japonês onde já somos praticamente familia, apesar de só comunicarmos com o staf por linguagem gestual.

O telemóvel tocou.

- Sofia, estou meia hora atrasado. Ainda estás a trabalhar?

- Achas? Até já me estava a faltar o ar. Fui à rua, já confirmei aquele débito que me pediste para verificar, fui até à farmácia comprar-te umas pastilhas para a garganta, liguei à Ana e voltei para o edifício.
Estou a ver uma exposição e estou a sonhar.

- Tu sonha mulher, sonha!- diz ele, a pensar que devo andar a preparar alguma....
  Aguenta-te por aí que não falta quase nada para te ir buscar.

- Sim, sim - respondi-lhe, quase certa que a meia hora se transformaria num pouco mais.

Deixei-me ficar a sonhar e a planear mentalmente a nossa fuga.

Analisei melhor o quadro. Mesmo em frente a ele só eram visíveis elevações, pequenos pedaços de madeira, de diferentes tamanhos, a que a pintora atribuiu cores distintas.

À medida que me distanciei, foi-se tornando nítido que por alí não estava só um amontoado de objetos. Estava um bonito sorriso.

Curiosamente, hoje, aquela desconhecida fez-me sorrir.

Dei mais uns passos e a seguir encontrei esta harmoniosa mescla de pregos, cacos de loiça partida, parafusos, que perfizeram um universo excêntrico de cor.

Ela chamou-lhe "Quem sou? Cada elemento aqui presente é um pedaço da minha essência".


Há gente com imaginação. Grandes remédios para valentes secas e compassos de espera!

Saltei quando ouvi a buzina lá fora. Que discreto, este homem!

- Já vou. Estou a ir - disse em voz alta, enquanto me dirigia a ele, completamente desengonçada, em cima dos saltos altos que tão cedo não devo voltar a usar.



terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

As festas dos crescidos são assim.....


.....imitam as dos pequeninos.



A princesa....


....airosa e fresca, encheu o palco com um vestido de sonho.


A charmosa....


......saíu discretamente para compor os bonitos folhos do vestido, o penteado e a maquilhagem.

A sedutora....


...fez com que todos os olhares pousassem em si.


Os homens de barba rija....


....riram e combinaram mil e uma travessuras.

Festa brava tem sempre estes elementos!

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

Oi galera

Passou o Carnaval, passou o dia dos namorados e  nem uma palavrinha escrita por aqui.

Não é que as datas não me digam nada, mas atravessei um período de indisponibilidade criativa para bloggar.

Ora bem, vamos lá tecer umas considerações acerca destas últimas festas.

O Carnaval para mim, já deu o que tinha a dar. Foliões perdoem-me, mas há pouco espírito para ver bundas a abanar em temperaturas tão pouco recomendáveis.

Agradece-se ao senhor presidente de Torres pela tolerância na terça feira, atendendo ao desejo premente de brincar ao carnaval dos locais e dos que rumam àquelas terras. Já por lá foliei, mas não é programinha que apeteça repetir muito mais vezes. Sim, os machos acham imensa piada às vestes das fêmeas e aproveitam para dar o tudo por tudo, numa autêntica competição pela melhor fantasia travesti (vamos esquecer a competição maior, que decorre durante praticamente três dias, a do maior número de minis ingeridas). Se isso tinha uma graça infinita há alguns anos atrás, agora parece desprovido de grande interesse. Mea culpa!!!


Já acho mais piadola ao dia dos namorados: aos maridos que dizem nunca comprar nada às mulheres e quase às escondidas vão a correr à florista mais próxima comprar a sua rosinha, à atrapalhação que este dia costuma ser nos restaurantes (chega até a poder-se namorar coletivamente, tal não é a proximidade entre casais!!! ups, beijei o cavalheiro da mesa ao lado....), aos souvenirs pirosos com peluches e corações vermelhos sangue. Acho fixe, o que é que querem!

Passado este festival todo, eis que voltamos ao velho tema das modas/maluqueiras cool que saltam à vista e sobre as quais apetece falar.

Tenho uma grande panca por cabelos, cortes de cabelo, por tudo o que se possa fazer com estes fiozinhos que nos crescem no cucuruto, para melhorar a aparência!!!

Não acho piada ao cabelo da Wanda Stuart, nem ao da Miley Cirus, porque considero que o que fizeram às cabecitas foi uma verdadeira lóoocura, mas adoro uns looks irreverentes. Por exemplo a cor com que esta moçoila pintou as melenas, é deliciosa.....



Também aprovam?????

Não há melhor maneira de brincar ao carnaval. Usar cabelo lilás todos os dias está valendo ou  não galera?

E este cabelo cor de rosa, ao estilo algodão doce da vencedora britânica do American Next Top Model?


Já que não posso fazer isto na minha cabeça, invejo a das outras!!!

He he....
Abraço

sábado, 9 de fevereiro de 2013

Tudo preto no branco

As cores garridas vão e vêm, os tons pastel também, mas o preto e o branco estão sempre presentes....

....isoladamente

DKNY summer 2013

DKNY summer 2013



ou em conjunto......
DKNY summer 2013

DKNY summer 2013

Depende das vossas preferências!

As propostas DKNY para o verão são clássicas e frescas, consensuais, mas estes ténis stiletto vão dar que falar pela extravagância....
Para as mais ousadas experimentarem....

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

À espera deles e da tarte de grão



Estou à espera nos sofás pretos que ficam ao fundo do café.

Já lí na diagonal todas as revistas espalhadas pelas mesas de apoio.

Descobri que se tratam vícios com terapias que implicam receber pancada em sessões, duas vezes por semana, descobri que a Cristina Ferreira é uma mulher muito caladinha e boa ouvinte quando está longe das luzes da ribalta e do Manuel Luís Goucha.

Já fiz conversa de circunstância com o dono do café e com o empregado simpático.

Já nos rimos juntos, já falámos na possibilidade de ir trabalhar para a cozinha como aprendiz de pasteleira em part-time. Aprendi que quando se apanha um cliente difícil, não há nada melhor que fazer um pequeno recolhimento, contar até dez, demoradamente, beber um copo de água e voltar a aparecer sorridente.

Já concluímos que não se pode levar a vida muito a peito e que vale sempre a pena mostrar a dentição, por mais cariados que tenhamos os dentes.

Já relaxei, já ouvi música boa, já pensei no que tenho para arrumar lá por casa,  já mandei mensagens a amigos que não vejo há algum tempo....

Já comecei a marcar a movida para o fim-de-semana.

É tão bom não ter nada para fazer e inventar ocupações.....

Por incrível que pareça, às vezes sabe bem secar à espera de alguém!

A voz doce da cantora que se ouve está a embalar-me. Estou quase a adormecer. Caramba, há vozes mesmo sexys. Ora aí está uma coisa que se pode treinar...como fazer uma vozinha sensual, rouca e arrastada.

Pronto, onde tu já andas! Vá, volta, foca-te, regressa ao habitat.

Um telemóvel toca na mesa ao lado, um casal de namorados, completamente enterrados nos sofás do lado põe a conversa em dia com uma amiga, entre muitas gargalhadas....o amor adolescente é lindo. Nem se percebe se estão a usar dois casacos ou se estão a partilhar o mesmo, tal não é a forma como estão agarrados. Um grupo de amigos passa o tempo, entre umas jolas e um tablet.

Lá dentro está uma tarte de grão a acabar de fazer, propositadamente para a pandilha por quem estou a esperar.

Vai uma fatia?

A atmosfera é tão descontraída que podia desejar só me mover em ambientes assim.

Tudo aqui está disposto por forma a que nos sintamos em casa e a sensação que se tem é a de estar num segundo lar. As tostas de pão saloio gigantesca, com presunto e queijo que servem ajuda a prolongar esta sensação, assim como o cheiro a chá espalhado pelo ar......

Eis que entra um grupo barulhento pelo café adentro!

É a minha malta.

Toca a guardar o bloco de notas. Agora é hora de socializar.