Brilho

Sempre à espera que os seus dias brilhem!

domingo, 30 de setembro de 2012

Pernas para que te quero!


- Sabes, tenho uma enorme tara por fotografias de pernas - diz a Sandra ao Mário, que se senta à frente dela no escritório.

- Por pernas?

- Sim. E por pernas de mulheres. Pernas de bailarinas, bailarinas em pontas, pernas longas nuns belos sapatos altos, pernas.
Há pernas que parece que falam.

Ele, cuja tara vai mais para o cinema, nomeadamente para a realização, começa a fazer o enredo.

- Já imaginaste? Uma curta metragem só de pernas. A vida das pessoas retratada através dos seus passos. Mas aí entravam pernas de homens.

- Boa, diz a Sandra.
  Pernas de homens peludas, de preferência.
  À conta das pernas, antes de nos lançarmos na nossa "Curta", vamos lá pesquisar que outros tarados por pernas por aí andam ou andaram.

E assim, no meio da galhofa, descobriu-se que a fotografia de Guy Bourdain, nascido em Paris em 1928, brilhante fotógrafo de moda, já falecido, mestre na criação de instantes sensuais, provocadores, chocantes e até surrealistas, está carregadinha de pernocas.

Pudera, fotografou campanhas para o designer de sapatos Charles Jourdain entre 1967 e 1981!

Aqui ficam uns exemplares...





P.S. - O Mário adorou a primeira foto

sábado, 29 de setembro de 2012

A doce vida do campo


Quando mudámos de casa, de um apartamento na cidade, para uma moradia no campo, transformei-me.

Nunca fui um bicho muito cosmopolita, mas esta aproximação à natureza acelerou o meu distanciamento da vida na urbe.

Acabaram-se as reuniões com mil e um condóminos, as excursões aos shoppings, as incursões ao café barulhento da esquina, o entra e sai do elevador a fazer conversas de circunstância.

Decidimos, em família, aproximar-nos do que realmente gostamos.

Queríamos mais espaço. Queríamos que os miúdos pudessem correr na rua, andar em liberdade.

Curiosamente, apesar de nos cruzarmos com menos pessoas, temos um círculo de conhecidos e de conhecidos que se tornaram amigos maior do que quando estávamos por Lisboa.

Não moram no prédio em frente, moram a alguns quilómetros, mas chegamos à casa uns dos outros, sem problemas.

Quando assentámos arraiais, decidimos, em família, criar uma pequena horta pedagógica, para os gaiatos se entreterem e conhecerem a origem do que lhes é posto no prato.

Ao início foi assim. Andavam entusiasmadíssimos, com a perspectiva de arrancar cenouras da terra, de ver alfaces crescer. Pelavam-se pela altura da rega....



Agora, está bem está....

Pai e filhos fizeram bye bye à horta e aqui a própria está oficialmente nomeada Pequena Agricultora do Oeste.

Pois que me fiz socorrer da ajuda do Sr. Augusto, jardineiro experiente por estas paragens, que se encarregou de nos plantar umas árvores de frutos, me instrui sobre as datas certas para plantar, o que plantar e toda uma série de tarefas que inicialmente julguei inexistentes em aventuras como esta, de pequena dimensão.

O que é certo é que saem couves, saem tomates, saem morangos, e adoro comer e presentear os amigos com o que este cantinho produz.

Vamos pontualmente à "grande cidade", mas não temos muitas saudades.

Os miúdos deram-se bem com a mudança de escola, o Rui não demora muito mais tempo a chegar ao trabalho e eu, que comecei tudo do início, encontrei por aqui algumas janelas abertas.

Os meus Cheesecakes saem melhor, os meus doces de tomate ficam no ponto.

Deve ser da calma que se faz sentir!

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Acalma o stress




- Já passou mais de meia-hora.
  Aqueles dois são sempre a mesma coisa! - protestou a Catarina, de braços cruzados, para um Miguel muito ausente.

- Pois, está uma gaja para aqui, toda betinha, à espera de suas excelências, para ir ouvir falar os Senhores Doutores e nada!
  Mas vocês escusam de estar com esse ar enfezadinho.


Gant, Inverno 2012
O Luís, que adora uma boa espera, a sentir-se invadir pela urtiária, por todos os lados, avança:
- É pá, Miguel, vamos até lá abaixo fumar um cigarro.
  A palestra está a começar e quero ver se não me stresso...Combinações à gaja, é o que dá.

Já cá faltava o sexista de serviço, comenta a Sofia, em meia voz, de mãozinha no bolso e olhar empertigado.

- Vá desçam lá. Nós ficamos mais cinco minutos. Se eles não aparecerem descemos.

- Até já!

As duas sozinhas, viram-se uma para a outra e, em unissono, dizem:

- Homens!

sábado, 22 de setembro de 2012

Mostardinha, vem cá à febra



A cor de vinho está a imperar nas lojas.

Trapito sim, trapito não, lá está ela, a fazer-nos lembrar o balancear do nectar dos deuses, num copo de pé alto.

Há como resistir?

Há. Fugindo a sete pés da tentação do álcool!

Independentemente do sucesso da dita cuja e só para contratrariar, deixo-vos outra cor gulosa.

Gulosa, sim. Não tem nada a ver com as cores Candy do verão, com a suavidade do rosa algodão-doce ou do verdinho menta.

Não, é o poderoso Mostarda.

Este Inverno vai ser só ouvir, ó mostardinha, vem cá à febra!

Calças elásticas, com entrançado lateral, Uterque
Carteira Lanidor
Camisola com gola de pele, Uterque
Casaco jaqueta do lookbook da Lanidor
Saia lápis do lookbook da Lanidor

Melhores cumprimentos, sem mais delongas, atenciosamente,

Até à próxima cor!

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Manufacturada, você me deixou, manufacturada....com o seu amor


Comecei a ser manufacturada numa manhã de verão muito farrusca.

Caía cacimba lá fora.

Abriste os cortinados e decidiste, alí, que não passava daquele dia.

O esboço estava mesmo ao teu lado lado. Imaginiei-me a ganhar vida.

Primeiro fui só uma junção de pedaços de pele, depois aplicaste-me umas tachas bonitas.

Andaste dias agarrada a mim....

Ainda te foste embora, de férias, e deixaste-me em cima do armário, por acabar.

Sim, sei que tinhas as mãos desgraçadinhas e que a nossa relação precisava de um tempo, mas senti-me desamparada.

Um dia oiço-te ao telefone, a dizeres que me ías entregar noutra casa, que te tinha dado um trabalhão.
A negociares-me assim ao desbarato, a uma qualquer...

Fui completamente rifada. Enfiaste-me na mala do carro sem me dares uma justificação e levaste-me para longe.

Estava fula da vida.

Depois de me submeteres às condições mais adversas, quando já nada esperava de ti, tiraste-me do saco e fizeste o meu debute na Vogue Fashion Night Out. Eu nem queria acreditar.

Já há dois anos que não saía da loja de peles da D. Alice. Ouvia uns zum zum zuns entre as clientes, sobre essas coisas da moda, mas nunca pensei que me fosses mostrar, assim, à "nata da sociedade".

Afinal não eras má gente. Olha, fiquei feliz contigo, fiquei, pronto. Conseguiste assumir-me como a tua primeira grande obra, para o bem e para o mal.

Andaste pelas ruas de Lisboa, a exibir-me. Como eu adoro um bom show off.

Mas tenho a dizer-te que agora, que já me estava a habituar a socializar, estou há mais de uma semana instalada na maçaneta de uma porta....

Coisinha mais sem dignidade....

Hoje, finalmentre, lá se enxergaram, agarraram em e disseram:

- Tens que sair à rua antes que venha o outono. Vamos lá experimentar-te com uma blusa da estação.

Ó p´ra mim....toda Papoila.made
Ai Deus. Assim, sim Serafim...o que eu gosto de vadiar.


- Prontas para arrasar!

Período Experimental

- Boa noite. Já conhece as toalhitas esfloiantes e desmaquilhantes da kiko?

- Como?

- Portanto, com uma face da toalhita faz a esfoliação e com a outra desmaquilha-se.

A informação era deveras importante, mas o meu olhar fixou-se naquele jovem maquilhado que me atendia.

Sim, maquilhado! Ali, com tudo a que tinha direito.

O corretor de olheiras dava-lhe uma luminosidade tal ao olhar que ignorei completamente as toalhitas e pensei, de mim para mim, ora aqui está um excelente vendedor, com conhecimento de facto.

- Olhe, não as conhecia, mas fico a conhecer. Hoje vai só mesmo a máscara.
Amiguinha, mesmo pela módica quantia de 3,90€, nos tempos que correm, ainda estás em período experimental!
-Posso pagar com multibanco?

-Pode. Ainda não estamos como o Pingo Doce.

Arrecadei a graçola, que não apanhei, e mais uma vez conclui que há necessidade de acompanhar com maior regularidade os serviços noticiosos.

domingo, 16 de setembro de 2012

Saudades de ti



Esperei a tua carta todo o verão, a anunciar que virias a Lisboa.

No dia em que abri o correio, e ela estava lá, lembrei-me que não te esqueceras de mim.

Hoje de manhã escolhi as peças de roupa mais bonitas, para te rever. Deixei-as em cima do cadeirão, em posição de não se amarrotarem.

No ateliêr de costura da Sra. D. Margarida saiu-me tudo muito esquisito.

- Onde é que tens a cabeça hoje miúda?

- Sra. D. Margarida, seria possível sair ligeiramente mais cedo hoje? Tenho umas coisas para tratar.

- Se isso te deixar menos inquieta......pode ser. Mas amanhã, não me falhes, quero-te cá às oito da manhã.
Temos a entrega da encomenda da D. Manuela do terceiro andar.

- Prometo-lhe que cá estarei.

Levantei-me e fui beijar-lhe a cara, em sinal de agradecimento.

Só vinhas cá uma vez por ano....

Sai a correr pela rua, subi a calçada a ritmo acelerado, e agarrei o coração, que me saía pela boca, à porta de casa.

Preparei um banho com água de rosas e demorei-me por alí.

Depois de me vestir, olhei-me ao espelho e não desgostei do que vi.


A.Jesus, autora do Blog, A Impressão da Papoila
                                                       
Saí duas horas antes da hora marcada e o estômago, completamente embrulhado, não me deixava esquecer que em breve estaria frente a frente a ti.

Fui caminhando devagar. Parei na fonte para me refrescar.

Na minha cabeça só pairava a certeza de que assim que te visse te iria esmagar num longo abraço, carregado de saudades.


A. Jesus, com fita e clutch, criações da própria, Papoila.made

Chega antes de mim, dizias na carta. Senta-te na mesma mesa, do "nosso restaurante".

 As criações Paoila.Made primam pela graciosidade e originalidade, numa fusão das atuais tendências com o que de melhor a moda de época  nos deixou!

Assim fiz, como venho fazendo todos os anos.

E todos os anos me invade a mesma sensação amarga e doce de te ter tão perto, mas sempre tão longe de mim.



quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Todos os caminhos lá vão dar......

Hoje, todos os caminhos lá vão dar.

Aonde?

Ao centro do mundo, capital do universo, ao epicentro da moda....

à.....


Tu aí , não penses que hoje é mais um dia!

HOJE É O DIA! ...em que te podes permitir extravasar, sair da concha, "soltar a franga".

Se tens uma Anna Dello Russo dentro de ti....



Ou um Andre Leon Talley...



...Please, não hesites em trazê-los para a rua.

A CIDADE ESPERA POR TI!

domingo, 9 de setembro de 2012

I LOVE DISCO

E se de repente me der a febre do Disco Sound?

Pois foi o que aconteceu.

Sexta - feira lancei-me ao top com mais brilhos no armário.

Na minha cabeça, a bola de espelhos já girava e um mini Travolta andava à volta dela, a rodopiar.

Toca de lhe acrescentar um blazer, sóbrio, e não um daqueles - por sinal bem giros - à Manuel Luís Goucha, para encobrir a minha dupla identidade, e ir trabalhar.



                                                               Este homem é um must!

De repente lembrei-me das teenagers que saíam de casa com a saia pelo joelho, sabrina, camisinha abotoada até ao pescoço, rabo de cavalo e antes de chegarem ao liceu abriam dois botões da camisa, davam-lhe um nó para o umbigo ficar à mostra, desgrenhavam os cabelos, enrolavam a saia para parecer bem mais curta e calçavam o bom do salto alto.

Nunca passei por isto. Será que é agora que me está a dar?

Enfim, estas meditações transcendentais ficaram para trás. Já se fazia tarde para me pôr a andar.

Parece-me que o Sr. André, motorista do autocarro que apanho hà anos apreciou o look, pelo arregalar de olhos fora do normal. Bem, ou foi isso ou foi alguma areia que lhe entrou para as vistas!

O dia passou sem que me descobrissem o disfarce, mas ao final da tarde, já a destilar, quase a fazer uma pré-menopausa decidi que não havia outro remédio senão abraçar o visual numa versão diurna.

Blazer fora! Quando os espíritos/demóinos "dance" atacam, mais vale não o negar!



                                                



                                                                    
                                                                       I LOVE DISCO

Para variar, tive que acalmar os ditos cujos, uma vez que chegada a casa, tomei um bruto duche e adormeci no sofá.

- Lurdes, nem ouvi o telemóvel tocar....pode ficar para a próxima sexta-feira?

- De certeza que não queres começar a marcar aos sábados? Vá, vai lá por o corpinho a descansar.

sábado, 8 de setembro de 2012

Verdinhas em fuga


O Caldo está completamente entornado.

A semana que se aproxima vai ser de muitas contas à vida e de recolha de informação, para escapar com o mínimo de lesões à batalha prometida para 2013.

                                                       "Estão mexendo no meu bolso"....

As verdinhas vão começar a voar-nos dos bolsos.

Se é certo que a Austeridade revolta, desune, enraivece, desanima, frustra, certo também é que se nos deixarmos povoar por tamanha negatividade e opressão, para além de pobres na carteira, havemos de ficar muito pobres de espírito....

E isso dói tanto!

Pais e mães de família do Potugal, acarinhem agora, mais que nunca, os super heróis que são ou nos quais se vão tornar.


Vamos lá munir-nos de escudos para ver se as marcas não vão muito fundo.....

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Porque sim


Porquê?

Porque é mesmo trendy, porque este excesso é a minha cara, porque gosto de usar e abusar de colares, com brilhos, com contas, rendas, croché, tachas, com tudo a que tenho direito.


Porque escolher, pela manhã, o colar que me vai acompanhar durante o dia é um ritual de prazer que não me canso de repetir.

Desde sempre me lembro de mim assim.



Porquê?


Porque quando o uso parece que trago comigo memórias físicas daquela viagem que fizemos com as miúdas, da feira sui generis onde o comprei, do vendedor carismático com quem regateaste o preço.


Porque durante o dia, se o trouxer comigo, nem que seja quando me olho ao espelho, me lembro de vocês!


Porquê?

Porque efetivamente, e depois de as minhas amigas me racharem a cabeça, chego - eu mesma - à conclusão que com ele fico ainda mais feminina e elegante.


Pronto, porque tem motivos étnicos, não é muito espampanante, é económico e é do nosso Portugal.

Tenho que comprar mais um ou dois, para levar aos jantares que vamos marcar.

terça-feira, 4 de setembro de 2012

O rigor da indumentária


Abandonas a cozinha de manhã, depois de tomares um belo pequeno almoço.



Arranjas-te a preceito, e acabas de fazes as malas, para passar uma semana em casa dos Jeffrey, lá para a cidade.

Os assuntos que tens a tratar exigem um rigor mais que britânico, na indumentária, então toca a caprichar.


                                                     




                                                             Ralph Lauren, Inverno 2012

Pronta para negociar!