Brilho

Sempre à espera que os seus dias brilhem!

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Branca como a cal

A malta anda a sentir falta dos serões em família, nos bem ditos fins de semana de "visita à terra", em que imperava a conversa banal.

Só se falava de trivialidades, do casar e do descasar.

Tudo junto, em volta da mesa, da camilha, do que lhe queiram chamar, em que era colocada a melhor toalha de renda, guardada religiosamente na gaveta para se vir mostrar, vaidosa, em ajuntamentos especiais.

Era a mesma que a avó Alice, com os dedos com artroses insistira em bordar. E falava-se, com saudade, da avó, da marreca nas costas, do porta-moedas com mais de trinta anos e de quem, na sua opinião, o havia de herdar. A toalha ainda estava branca como a cal.


Passavam-se as mãos pela mesa, puxavam-se as cadeiras, bancos, banquinhos, que nunca pareciam faltar.

Começáva-se a ronda na prima Chica que, assoberbada, andava a tratar do filho da estouvada da Catarina que não tinha juízo nenhum, do Joaquim do talho que se fartava de mandar piropos às miúdas novas, do Carlos que nunca mais assentava arraiais com uma rapariga séria, do Tio Fernando que insistia em andar pelas ruas da aldeia com a mota que já remontava a a.c., da mercearia da Dona Clementina que já quase não vendia nada, da Joana que de tão moderna que estava, até já fumava à frente dos pais.

E tudo isto com o "lume" ou a braseira por companhia, até todo o corpo ficar quente e não haver espaço para o frio entrar.
Os miúdos andavam à volta da mesa, a roubar bolos, a correr pela sala, a fazer o chamado "esparvoar". Acabavam por ficar a dormir com os primos, porque, enfastiados da conversa dos adultos, subiam aos quartos para brincar.

Faziam-se os melhores bolos, servia-se um cacau quente a fumegar e esperava-se até conseguir agarrar a chávena a escaldar.

A noite só acabava quando o lume se começava a ficar.

sábado, 26 de novembro de 2011

Visita real vs Visita virtual

Uau...Uau....fiquei assim, alucinada, quando entrei na GLOBE on-line, depois de ontem ter ficado uouuuu....uouuuu quanto vi a colecção de Inverno numa das lojas. Duplamente satisfeita, com a visita real e com a virtual.

Ontem, estava com tempo, não estava muita gente por ali, entrei e fiquei, para ter o gozo de ver e descobrir cada peça ao pormenor.

Belos cortes, óptimos acabamentos, pequenos detalhes espalhados por todos os lados. Sapatos portugueses, peças portuguesas, lindas, lindas.

Decoração perfeita, atendimento caloroso e uma saia, num expositor, lá ao fundo, cheia de flores.

Tirei-a do cabide e fiquei a pensar....caramba....eu que nem gostava de estampados, agora até já gosto de motivos florais!

Conjugada com um sobretudo azul escuro, de corte irrepreensível, que estava na montra da loja...ui ..ui, nem imaginam o efeito que poderia dar.



Imaginei uma actriz assim vestida, num café nostálgico, num encontro amoroso, para beber um chá...o sentar na mesa e o cruzar de pernas elegante. O chapéu e a gabardine de lado. Lá fora a chover. Para melhorar a cena, voam soltas folhas de outono pelo ar, tudo numa outra época, sei lá!

Isto está a soar-me a um filme em que são protagonistas Julianne Moore e Ralph Fiennes....cujo nome tenho debaixo da língua...mas não sai....

Ufa já está....The end of the affair



Relembrar este enquadramento e escrever ao som da música clássica que faz a abertura da página on-line da Globe, torna tudo muito mais épico e emocionante!!! Pois é!!!

Bem, saindo do filme, continuando...

Tudo na Globe é de extremo bom gosto e foi um gosto descobrir peças, tocar tecidos e regalar as vistas por ali.

Do Lookbook Globe - Inverno 2011
Do Lookbook Globe - Inverno 2011
Há cor, há aquelas belas laçadas, as luvas verdes, as pregadeiras, os chapéus....enfim ainda há muito mais.

Claras e anunciadas inspirações da marca são as icónicas Grace Kelly e Jacquelline Kennedy. Pois não havera uma pessoa de gostar.

Parabéns à equipa de designers portuguesa.

E a campanha está muito, mas muito bem conseguida. A modelo, fotógrafo e stylist também devem ter ajudado... se calhar!

Luzes de Natal

Ontem, as ruas da baixa lisboeta não tinham luzes de Natal.

As iluminações da quadra só podiam ser namoradas no exterior das lojas que ainda não estão descapitalizadas, nas fachadas imponentes de uma ou outra grande empresa e pouco mais.

Este ano vamos ter que descobrir as luzes que piscam dentro de nós.

Não são pirilampos, embora possamos juntar um grupinho deles para ver se os ânimos se elevam, são aquelas que se acendem quando estamos com quem e onde gostamos.

Não precisam de orçamentação para se acenderem e aquecem-nos o coração durante muito mais tempo.

São pirilampos sim...eu também não queria acreditar.
Aproveitando a deixa, sugiro pirilampos na árvore de natal.

Descobri um pouco mais sobre este insecto no blog do Sr. Joaquim Nogueira, licenciado em Ciências Geológicas pela Universidade de Coimbra.

Pensar que as luzes que emanam destes bichinhos também se prendem com rituais de acasalamento... Bicho esperto.

Aqui fica uma ideia disparatada e uma imagem de uma beleza invulgar.

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Bien sur

No Paciente Inglês, no Monte dos Vendavais, em Chocolate, esta francesa convenceu-me.
É uma bela actriz. Não vi mais filmes com ela, mas ainda vou a tempo.
Para além de boa actriz é efectivamente bela. Olha-se para ela e pensa-se que tudo o que vem de Paris é assim, doce e suave.
Faço questão de preservar no meu imaginário esta ideia. E bem que me podem dizer que as francesas são isto e aquilo, que para mim são umas ladys...







Charmosas, refinadas, elegantes. Pelo menos, a Juliette Binoche é.
Bem, como me estou a sentir imbuída pelo espírito parisiense, aqui vão umas propostas da marca francesa lollipops, que descobri recentemente.




 
                                      
Encontrei a sombra para os olhos na perfumaria Douglas, bem como outros produtos da marca, e achei-lhe graça, pelos pormenores em relevo, que fazem lembrar os nossos livros de gaiatos.
Penso que os acessórios só poderão ser adquiridos on-line. 


Coisas doces de Paris

Vesti o casaco comprido, pus um gorro na cabeça e fui buscar as luvas à primeira gaveta da cómoda, que temos na sala de estar.

Fechei a porta e desci as escadas velhas de madeira, a correr, para te ouvi cantar. Já o faço há anos. No mesmo dia, no mesmo lugar.

Desta vez o bar está quase vazio. Fico escondida, na última mesa, a observar.

Sei que mais logo te tenho nos meus braços, mas, de quando em vez, é bom ver-te, de longe, e parar para pensar.

Ris-te para mim, e eu retribuo-te o sorriso. Afinal, sou a tua fã de sempre. A tua fã incondicional.

Terminas com aquela mesma música, que quase me põe a chorar e a seguir despedes-te do lugar.

Fumo um cigarro enquanto espero por ti.

Já é tarde, mas obrigo-te a dar um pequeno passeio, como fazemos sempre, para namorar.

Agarras-me e levas-me pela noite fria, até às margens do Sena, que me fazem sonhar.

Depois afastas-te e deixas-me ficar a contemplar tudo o que dali consigo ver, com os olhos e com o coração, como se fosse a primeira vez.


 .....Paris ao luar!

domingo, 20 de novembro de 2011

Esplanadar


                   ..... é o acto praticado por aquele (a) que gosta de passar tempo em esplanadas, faça chuva ou faça sol, sozinho (a) ou acompanhado (a), em local de maior ou menor requinte, no país ou fora dele e que daí retira grande prazer.

Para este homem ou mulher, há sempre uma nova esplanada a descobrir.

Tudo muda de esplanada para esplanada. A vista, o atendimento, o movimento circundante, a decoração, a marca de café que é servida, as chávenas, entre uma vasta gama de outros elementos que poderia elencar.

Cada esplanada tem a sua própria movida e há um processo de integração, necessário, para a frequentar.

Fundamental é a escolha de uma boa mesa, estratégicamente colocada, porque nunca se sabe quanto tempo se pode demorar, ou quem vai passar, fazer-se munir de informação, com jornais diários e revistas do social e depois ficar simplesmente a ver o tempo a passar. Mas se o acto é partilhado, com amigos e família, aí sim, é puro deleite.

O grau de entusiasmo pode aumentar. Pergunta-se...como assim? Quando se chega à esplanada, se cumprimenta quem nos vem servir, e sem precisar de especificar se o café é curto ou não, descafeinado, em chávena fria ou escaldada, e ele chega por artes mágicas ao seu lugar está cumprido todo um ritual. Empatia...simpatia, o que lhe queiram chamar!

Se se conseguir levar o animal de estimação à esplanada, culmina então o à vontade do acto e já não há mais nada a acrescentar.


Photographer Miles Aldridge


Mas a coisa pode ter o seu lado negro.

O amante de esplanada não gosta que invadam os territórios em que é habitué, nos domingos, feriados, dias e épocas festivos, logo a seguir às refeições. Irritação....Aquele espaço é um prolongamento seu. Não há direito! Fica a bradar.

Ai meu Deus, estou a rimar...

Enfim, prós e contras sentimentais de se esplanadar.





sábado, 19 de novembro de 2011

All in white

Acordei e já te tinhas levantado.

Hoje era dia de saída com o Marco e o André.

Como te queria arranjadinho, mesmo sabendo que íam andar na carripana do André, numa espécie de safari, lá para "cascos de rolha" e provavelmente chegarias a casa todo enlameado, ontem à noite, depois de deitar as meninas e contigo já a dormitar, deixei-te nas costas da cadeira umas coisinhas desportivas para dar um certo style.

Colecção Hugo Boss - Inverno 2011
Entre elas, está o famoso casaco que te ofereci pelos anos, que nos remete sempre àquele famoso diálogo...

- Ana, tens a certeza que não fico com um arzinho amaricado, com este casaco?

E eu:

- Ó homem, deixa-te de cenas, isso já não existe. Agora é tudo unisexo!

Ri-me, revirei-me na cama, enrosquei-me na almofada e lençóis brancos do nosso novo quarto, decorado em tons brancos e pensei que na próxima meia hora seria dona e senhora daquilo a que se chama descanso.

Vou encomendar um igual ao Querido Mudei a Casa
Curiosamente, quando estou em modo de repouso, penso sempre em branco e agradeço teres concordado comigo na escolha da tinta branca para as paredes do quarto.

Parece de doidos, mas quando estou particularmente cansada, a coisa pode ser levada ao extremo de ter necessidade de olhar para uma parede branca, para me limpar do excesso de informação.

Ao branco, posso sempre acrescentar qualquer coisa.

A ausência de cor nas paredes pode sempre ser eliminada. Há-de haver um dia em que vou "tresloucar" e decidir-me, com grande ousadia, por um amarelo bebé.

Quando me apetece um princípio tenho as folhas de um caderno em branco, onde tudo ainda está por traçar.

No branco posso sonhar, viajar, repousar e começar de novo.

E como o dia estava a começar, para fazer uso da banheira, que normalmente serve de poliban, preparei um belo banho de espuma, branca....

Este não encomendo. Só preciso de uma boa dose de gel de banho, que isso dos sais parece não dar resultado!
                                                     
Já revigorada, puxei de uma toalha branca e mergulhei o corpo de branco, até conseguir esvaziar meio boião de body lotion. Abri o guarda fatos e tirei umas calças e uma saia, brancos...

Skinny Jeans brancas - Promod


Optei pela saia, porque me faz lembrar o início de tudo, quando me vestí de branco.


Olhei para a cómoda ao lado da cama e ri-me com o retrato da minha mãe, fotografada em pleno ataque de riso, de cabelos brancos. Tantas coisas que eles me contam....

Desci as escadas e para começar bem o dia bebi um copo de leite frio e branco!!
Isto tudo, antes de ver aqueles dois sorrisos brancos que logo de manhã me enchem o coração...
                                                                                         
All in white, até ao teu regresso.









quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Love You Oprah

Estou para te dizer isto hà já muito tempo. Gosto de ti!

Porquê? Não te conheço, não perece fazer sentido. Mas mesmo assim, gosto de ti, com e sem maquilhagem, quando ris e quando choras, quando questionas e quando és mera ouvinte, quando dás a quem precisa e incitas à educação, quando, corajosamente, és a porta voz de um país e assumes essa missão.

Gosto de ti pelo que representas, enquanto mulher, enquanto ser humano. Gosto de ti Oprah.

Apetece ter-te na família, tirar-te do quadradinho da televisão e ter-te perto. Se te visse, dava-te um abraço bem apertado e agradecia-te, pelo amor e generosidade que depositas em tudo o que fazes.

Particularmente elegante e graciosa
A luta pela educação
 

Elegância e requinte


Mais magra....mas não tão maternal. Os quilos a mais dão-te graça!!!
Ler e aprender

Aqui ...feliz! Belo sorriso.

Bem que podias ser daquelas primas, que vamos visitar de quando em vez, a quem damos valentes cumprimentos, esmagadores de peito.

Acho graça às tuas formas voluptuosas. Deixa-te de dietas que estás muito bem assim. A grandiosidade do teu coração suplanta quaisquer problemas de gordurinhas a mais. És um charme!

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

A Serpente que me sobe pelo braço!

Ando a pensar em pôr uma serpente a subir-me pelo braço.
Acho giro. Dá um ar BBC vida selvagem.
Depois, a dita cuja fica ali a controlar, de olhos esbugalhados!
A menina da Blanco tem uma e parece estar feliz.



Nos dias em que a cobra não sair à rua, uso estes colares que encontrei na Pedra Dura. Sobrepostos, fazem um brilharete!


São umas propostas, para quem, como eu, gosta de dourados.

Afinal, não podem ser só as árvores de Natal a merecê-los.

Adoro brilhos, lantejoulas, tachas, tudo, tudo a que se pode ter direito.

E se nos shoppings, nesta época, proliferam estes materiais - bem como as canções da Celine Dion, música ambiente nos toilletes, berlicoques dependurados de cima abaixo, à volta, acolí e acolá e nos mais inimagináveis recantos das lojas, e demais estranhezas - não acho justo trautear "this is christmas, trá, lá, lá", sem nenhuma pendureza para celebrar.

Até o Joaquim Monchique se cobriu de metais para a entrega dos Fashion Awards! À meu rico Monchique, assim é que é. Cheio de estilo. "Tou contigo e não largo", ...mas arranja-me esse modelito.


 

terça-feira, 15 de novembro de 2011

Fui p´ro campo

Cheguei a Provence ao amanhecer.

O portão da quinta estava entreaberto. Pousei as duas maletas que levava e inspirei, depois belisquei-me, para ter a certeza que estava mesmo ali, em carne e osso.

Agradeci aos céus o milagroso telefonema que me fez sair de Lisboa, para resolver papeladas de uns amigos da família do Luís, assim, de um dia para o outro, sem dizer nada a ninguém.

Toquei a sineta e passado uns minutos, a Claire e o Joseph recebiam-me, de braços abertos e acompanhavam-me por entre os campos de alfazema, até ao alpendre, onde me esperava um belíssimo pequeno-almoço.

- Clara, larga tudo e aprecia a paisagem.

E bem que apreciei, moça bem mandada que sou.


- Desfaz as malas......

E assim fiz...

Ontem atirei umas peças confortáveis aqui para dentro.

Neguei-me a trazer as minhas já "coçadas" calças de ganga, então lembrei-me das coloridas e discretas, amarelas, que me ofereceram há pouco tempo. 

Depois escolhi estas saias campestres, que pensei poderem condizer com a paisagem e não me esqueci das botas, rasas e confortáveis, e do belo e básico cardigan.


Botas Massimo Dutti

Cardigan e Calças Massimo Dutti

Saia D&G Inverno 2011

Saia D&G Inverno 2011
Já estava tudo arrumado no guarda fatos do quarto, do primeiro andar, com janelas de madeira viradas para o campo.

Atirei-me para cima da cama, só para sossegar o corpito e deslizar pelos lençois de renda em que mais tarde me havia de deitar. 

Desci e pusemo-nos a comer uns belos e estaladiços croissants, com sumo de laranja natural.

Em boa companhia, resolvi que as burocracias podiam esperar......

Até ao meu regresso.


segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Ligações perfeitas e intemporais

Vida cheia, a de Dorian Leigh Parker, uma das primeiras Super Modelos de todos os tempos.

Dos seus feitos, autênticos legados à História da Moda, ressalto a capa, já em "idade tardia de modelo", para a Harper´s Bazaar e o início da Ford Models.

Nascida em 1917, no Texas, foi ícone de beleza nos anos 50.

Atente-se ao ziguezague das sobrancelhas! Bela .... belíssima.

Aqui ficam algumas imagens da diva....





.....de Richard Avedon, um dos maiores fotógrafos de moda de sempre.

As suas fotografias trouxeram movimento e expressividade a um universo que se pensava estático e desprovido de emoção.

Deixo-vos algumas das suas obras de arte......



Suficiente para despertar curiosidade?





quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Caixas de Sonhos

Fiquei presa à montra da ShoesCloset, na zona norte da Expo.

Não eram só sapatos, botins e botas ali expostos, não......

Era a exposição perfeita de bom gosto e requinte. E caixas, muitas caixas e muita cor! Provavelmente muito amor.

Apurei, qual detective privado, as suas diferentes denominações e delineei estratégias sagazes para ficar com uns Alfama, Mouraria, Marvão e Monsaraz.

De excelente qualidade e design português, estes sapatos falam-nos do país e são arte para os pés e para a vista.

Mas, a este pormenor curioso, adicionaram-se dois outros de que gosto particularmente...a pintura e a escrita.

Pois é. As caixas são pintadas por dentro e têm uns dizeres que, com grande pena, não tive tempo para ler. Fica para a próxima visita!


Sapatos com compota, hein? Muito bom!

As solas originais e os lápis e pincéis, a lembrar que o Inverno também é cor!!

Bordeaux, azul, caramelo....quais escolher?


Destes nem falo, são da colecção Bright Fado!!! Já para os meus pezinhos.
Até me imagino a ouvir um faduncho no Bairro alto, com os meninos nos pés.
Com as caixas, autêntico deslumbre, ainda dá para fazer uns lindos quadros.


Obrigada ShoesCloset......



Por juntares sapatos, pintura, palavras e compotas numa só loja. Hi Hi!

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Bela criação.....

Da Colecção de Inverno Stella McCartney, dispenso os casacos tamanho XL, e os looks andróginos, mas encomendo já um dos seus vestidos, que brilhantemente jogam com geometrias e transparências e serpenteiam, com requinte, o corpo da mulher.


Depois de o encomendar, só é preciso fazer uma pequena dieta e comprar lingerie adequada.


Acessórios Rock Chique

Descobri a  os acessórios da marca Day Birger er Mikkelsen na net-a-porter.




Sofisticados, rock chique como gosto.