Brilho

Sempre à espera que os seus dias brilhem!

sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

Poupa-me Luís


Caro Luís

O que tu foste fazer!

Caramba homem....

Cada par é mais lindo que o outro!

Este verão vais por-nos de pés brilhantes....



De tacão alto e vertiginoso....




Com atilhos e muitas correntes....

Agarradinhos à canela...



I love you Luís!

É só o que tenho a dizer-te!



Acabas comigo!


Que coleção!!!!


P.S - tenho pena de só conseguir usar tacões assim 1 ou 2 vezes por ano.....

quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Let's get fisical


Caramba!

Isto anda confuso.

Então agora usar ténis é chique?

E eu que sempre fui gaija (senhora gaija é melhor) que os detestou!

Rendi-me no verão passado.

E apostei logo em grande. Comprei uns cheios de brilhantes e fiquei fã.

Mas vamos lá ver....

Não ao ponto de os usar no inverno, que se me dá frio às canelas.

Logo euzinha, que por debaixo da legging ou da calça de ganga uso sempre a minha meinha grossa a tocar o joelho, para não resfriar...

Mau mau que a coisa anda a ficar moderna demais!

Calculo que já nem se diga ténis. Deve haver p'raí outro nome fashion para os chamar...

Onde é que já se viu!

Ténis com malinha trolaró, echarpe e cardigan XL....



Ainda não consegui fazer esta proeza, mas vou experimentar. Ai vou.

Devo ter necessidade de me manter em movimento, para não me constipar, mas não há-de ser nada.

És uma mulher ou és um rato?

Mulher usa mini meia sob quaisquer intempéries.

Bem sei que deve é ficar bem às mais gaiatas, porque o corpinho da moça equivale ao da minha prima de treze anos, mas há que tentar!

Mesmo com coxa e perna grossa, se está na moda, bora lá usar!


segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

Chove sem parar



Chove há dez dias, consecutivamente.

Não sei se a minha maior irritação é não conseguir secar a roupa dos miúdos ( incluindo a do miúdo grande);

saltar de transporte em transporte até chegar ao emprego, atracada ao chapéu de chuva, completamente repassada;

partir as varetas do chapéu que comprei na loja do chinês, com a primeira rabanada de vento.

Acho que não vou optar. Escolho todas!

E irritar-me com a chuva faz-me sentir culpada.

Que desatino! Afinal, casei num dia de chuva...


E esse, foi sem dúvida alguma, um dia para recordar!

Na véspera regressei propositadamente a casa dos meus pais para cumprir a tradição.

 A Sara dormiu por lá...ou melhor, não dormiu, nem me deixou dormir...

Isto de se convidar a melhor amiga para madrinha, tem que se lhe diga...não sossegou com a excitação!

Acordámos já estoiradinhas às sete horas da manhã. Chovia a cântaros....

O meu mano cassula olha lá para fora e manda a piadola:

- Quem te manda casar em Janeiro! E sai por ali fora  a zombar.

A Rosa chegou atrasada para me tratar dos cabelos porque ficou presa no trânsito...

O João ligava-me constantemente por causa do primo chato que tinha vindo do norte, que não queria aturar....

Ainda me propôs que fugíssemos para um qualquer paraíso tropical.

E eu estive quase, quase, a aceitar.

A minha mãe choramingava pelos cantos da casa.

Ou era emoção ou medo que bloqueassem estradas e a boda não se realizasse.

E os croquetes, as empadas e os enchidos...os sumos de laranja, as infusões, tudo à espera dos convidados na sala de jantar, que passou a pente fino mais de vinte vezes, sem parar.

Estava possessa e entre dentes vociferava:

- O homem tinha razão! O teu pai tinha razão. Arre que o homem tem sempre razão!

Sei que quando tentámos entrar para o carocha que me havia de levar à igreja, tinha uma fila de chapéus de chuva a ladear-me, para não sujar o vestido, não esborratar a maquilhagem e não me despentear....

Temos fotografias hilariantes das primas a tentarem salvar-me.

Só parou de chover no copo-de-água, lá pelas cinco da tarde.Já era noite escura e estava tudo alegremente alcoolizado....

Nem é preciso dizer que os vestidos das convidadas e o meu rico vestido de noiva estavam ligeiramente enlameados...

Mas foi tudo tão feliz! O meu pai, que não sabe pitada de inglês, foi cantar Frank Sinatra para o Karaoke, como os amigos do João. Foi de fugir, mas de chorar por mais.


E hoje, olho com o Sebastião pela janela, enquanto espero que os miúdos cheguem a casa e pergunto-me....

 - Como é que a chuva me pode irritar?


- Deixa isso para lá Maria. Disse em voz baixa, só para ser ouvida pelo meu coração....

- Dias de chuva são do melhor que há.

quarta-feira, 6 de janeiro de 2016

A PRIMEIRA ESCRITA DO ANO


Fiz a passagem para o ano 2016 com amigos, numa das salas de leitura da Fábrica de braço de prata, entre livros de ciência, romances e histórias infantis.

Isto porque tivemos que abandonar rapidamente as mesas onde tínhamos acabado de jantar para deixar um acordeonista afamado tocar.....

Não houve direito a passas, que tinham acabado bem antes da contagem decrescente para a meia noite, mas bebi um copo de espumante numa flute plástica e atraquei-me a uma mousse de after eight deliciosa que por alí estava estacionada.

Dado o caricato da situação, que transformou esta numa das passagens de ano mais alternativas desta minha vidinha, foi muito bom ouvir, logo à entrada do ano novo, a voz portentosa da nossa Maria João, com os Ogre.


A mulher cantou clássicos do Michael Jackson, Nirvana , U2...uma maravilha para estes meus ouvidinhos duros! Gostei, gostei muito. 

Depois ouviu-se uma banda cubana, mexeu-se o corpito lembrando que algures no tempo fui frequentadora do Barrio Latino (onde dançava salsa, de saltos altos até ficar sem fôlego e com os pés a latejar) e rumou-se a casa.

Acordei tarde dia 1 e almocei em família. Tenho a dizer que foi uma refeição divinal, que compensou bastante a da passagem de ano (enfim! não se pode querer tudo, não é?).....

Toca a voltar ao lar e a lançar-me ao sofá para uma maratona de revisão de filmes.

E não é que tive uma sorte tremenda! Não era o Sozinho em casa, não era a Música no Coração ( com que voltei a deliciar-me neste Natal)....

Os senhores da programação sabiam, da necessidade extrema que tinha de ver boas histórias...

 de mensagem pura e limpa...


que me fazem sorrir para o ecrã, ou mesmo rir à gargalhada! Louvados sejam.

Regressei ao trabalho, cabisbaixa, porque não pára de chover (COM O CANECO!) e não apetece nada abandonar pijama e lençóis polares, pela manhã, quando lá fora está um frio de rachar.

Fiz a minha ronda de "Bom ano Novo" e de beijinhos para lá e para cá.

E porque era preciso animar e não deixar as festas morrerem, hoje toca a juntar aqueles com quem trabalho e a comemorar...

Afinal, foi dia de Reis....

Ainda se trauteou um " Vamos cantar as janeiras, vamos cantar as janeiras....."

As minhas coxas acolheram mais uma fatiazona de bolo rei e de bolo rainha, made by Pingo Doce. Como dizer que não? As festas estão a acabar!




BENVINDO 2016

TRATA-ME BEM, OK?