Brilho

Sempre à espera que os seus dias brilhem!

quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

Gala da TVI


Ontem à noite foi serão de Gala da TVI.
Não vi até ao fim, porque o sono me apanhou, mas do que vi gostei.
A versatilidade da equipa é de referenciar...eles cantam, eles dançam, eles representam...
E como não comentar os outfits!
Confesso que já me cansei de ver tanta transparência nos vestidos e há muita lingerie que substitui o que um bom vestido de Gala deveria ser.
Acho que muitos looks não primaram pela elegância, pelo excesso de pele à vista...
Mas este meu cantinho é de coisas positivas e favoráveis...
Aqui ficam os looks de que mais gostei...
SUPER ELEGANTE...
(o que eu escolheria!)


FLUÍDOS E ALEGRES!


UM TOQUE DE IRREVERÊNCIA E MODERNIDADE



OS GALÃS, IRREPREENSÍVEIS...
                                         


DUPLA MUITO ORIGINAL!



quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

Frustração Felino/Natalícia


Estou profundamente desiludida.
Há dois anos que coabitam comigo os felinos mais doidões que me podiam ter calhado na rifa, o Félix e o Afonso.
Vieram de um abrigo e têm tornado a minha vida muito feliz.
O Félix é assustadiço. De humanos, só deve gostar mesmo de mim e tem um vício (à semelhança da dona)...adora comer! Está sempre pronto. Ele são iogurtes naturais, sopa, queijo, fiambre, frango...tudo lhe sabe bem...
Mas não pode ser. Confinado à ração de emagrecimento, parece que tem estado a fazer um programa numa dessas clínicas famosas, que não produz os devidos resultados.
É meigo e adora ter o seu lugar cativo ao pé de mim, no serão, no sofá.
O Afonso é mais meiguinho. Adora festas na barriga e fazer escapadelas até ao 3º andar do prédio onde vivo, para ir trincar os vasos da vizinha.
Ultimamente andam muito brigões. Saltam por cima de sofás, levam tudo à frente.
Então, quando decidi fazer a árvore de natal pensei:
- Ui, vou acordar com pinheiro, decorações e iluminações todos espalhados pela sala...
Estava à espera de imagens destas...


Mas não, estes meus bichanos estão-se borrifando para a árvore e para o Natal!Não é justo...
Ainda nem consegui tirar uma fotografia cómica com eles a tentar destruir as decorações...Snifff...
A coisa lá por casa anda muito soft!!!! Estou a estranhar.
Partilhei esta minha frustração felino/natalícia com a minha vizinha do 3º andar que tem um cão " a pilhas", super querido, mas que lhe tem posto a casa num reboliço.
Até já mo ofereceu para fazer uns pequenos estragos à árvore...mas...Não, Obrigada! Estrago felino é estrago felino.
Vamos aguardar e ver se os meus "Meninos" iniciam a interação natalícia.

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

É para ir trabalhar?


Assim que acordo a preguicite aguda questiona-me:
- Então, é para ir trabalhar?
Respondo-lhe ensonada:
- Claro, como é que se ganha o tostão?
E enxoto-a do meu dia.
Faz-te uma mulher ativa! Cheia de frio, mas há que ser uma pessoa enérgica. Não dês parte fraca. Frio? Nenhum.Vou fingir que adoro este tempinho.
Os pés e mãos sempre gelados, as toneladas de roupa vestida, qual boneco michelin...
E vou fingir que entendo que com estas temperaturas há pessoas que são autênticos fornos ambulantes, que sabem que está frio, mas não o sentem, assim, como eu, com esta intensidade.
Pessoal nórdico que nasceu em Portugal por engano! O que curtem é exibir-se em frente aos friorentos...
Na rua ando um bocado encarquilhada, mas tento disfarçar o estado em que me encontro.
Mas em casa, no recato do lar, quanto posso deixar de ser essa pessoa destemida face às baixas temperaturas, vale tudo.
Medidas de combate ao frio:
- Colocar os tapetes que tinha guardado no verão por toda a casa;
- Ter mantas quentinhas espalhadas por cada divisão;
- Aquecedores a óleo e ventiladores a aquecer o ambiente;
- Fazer uso dos vários pijamas, lençóis e meias polares. O que está a dar é o Polar...
- Colocar o édredon de aquecimento na cama e nunca mais o largar.
Depois desta preparação ártica, é tempo de usufruir. Muito Édredóning e Couchsurfing na própria casa.
Comprar uns bons livros para ler ao serão, preparar bebidas quentinhas para acompanhar a leitura ou ter sempre à mão uma boa sopinha para aquecer a alma.
E a Árvore de Natal com as luzes a piscar...
É quase poético.
O frio é poético!





quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Brigitte style!


Chegou a hora de escolhermos o nosso "miminho" de Natal 2017, porque nós merecemos.
Afinal, o Pai Natal, ou o Menino Jesus, como queiram, há-de gostar que nos presenteemos pelos desafios que superámos ao longo do ano.
Ainda por cima a Black Friday está aí para ficar (Medo! Muito medo!). Toca a aproveitar uns descontinhos.
Parece que neste inverno estão na moda....
...as meias com glitter, que podemos encontrar na Calzedonia,


                                                       e as fitas largas para o cabelo.
Encontrei-as na Channel (lindas de morrer!!)...
..mas prefiro ir até à Parfois ou à Zara. Fica mais perto!

sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Qual das duas?




Fim de semana que se preze tem sempre duas vertentes para uma mulher:
Gata borralheira...
Cinderela...
Depois é só fazer, nas duas, a performance que nos fizer mais feliz!



quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Romãs e castanhas



Na sua meninice, a Ana passava fins de semana de outono no Alentejo, na casa dos avós, - a "casa da terra"- que a esperavam sempre saudosos.
As chegadas eram sempre celebradas com abraços ternos e demorados e a sensação era a de que naqueles momentos a conseguiam envolver, por completo, em toda a sua pequenez.  
A miúda chegava e era tempo de a brindar com pequenos mimos.
O tempo frio convidava a pequenos almoços reconfortantes, com leite achocolatado e bolos caseiros, preparados propositadamente para a visitante.
E nos lanches não podiam faltar as esperadas castanhas assadas, estaladiças por fora e  cremosas no interior, que se desfaziam na boca, e lhe aqueciam o coração.



Damian Haas, food photographer

As romãs, que abundavam naquela época do ano, eram carinhosamente descascadas e colocadas à mesa na mais bonita taça.
Ela sempre gostou daquela explosão de sabores que resultava da mistura do gosto ácido das romãs, entrecortado pelo doce do açúcar, com que os reluzentes bagos vermelhos eram envoltos. 
Que bem lhe sabia,  ficar ali sentadinha, num pequeno banco de madeira, entre a avó Luísa e o avô Bernardo, a ouvir as histórias das gentes da aldeia, enquanto aquecia as mãos ao lume e ouvia o crepitar das primeiras castanhas.
Outras vezes, deixava-se estar na mesinha do quintal, à espera do pitéu, enquanto fazia, afincadamente os trabalhos da escola. Parece que ainda é capaz de sentir o cheiro doce das castanhas, o cheiro quente do lume.
Os serões passavam-se à braseira, com a família reunida. A Ana era ouvinte atenta das "conversas dos adultos" em que à medida que foi crescendo, ganhou direito a lugar.
Há um sabor misterioso no inverno e por isso esta é a estação do ano que elege.
Trocaria perfeitamente um dia de praia, com direito a mergulho, por um passeio a pé no campo a contemplar os tons que a natureza, nesta época, lhe oferece.
Como tem andado a organizar um magusto com uma "tropa de elite" lá no trabalho, estas memórias inundaram-lhe o pensamento.
Para dar vida a recordações que lhe são tão queridas, e em jeito de homenagem ao que já passou, a Ana delicia-se a cuidar dos preparativos, como se aqueles tempos distantes se fundissem com o momento presente.
Cada interveniente trará um manjar para degustação, a pretexto de haver acompanhamento para a castanhada, para além da natural pinguça, sempre presente.
Visualizou de imediato uma bola de carne, a sair de um forno de lenha, a fumegar, que adora. Não virá à mesa exatamente nestas condições, mas já coagiu a expert no assunto, a colega recatada e prendada do pedaço, a trazê-la.
Depois falou-se num presuntinho, pão com passas e azeitonas, um queijito, umas compotas, marmelada...
Pois que o mulherio organiza, vais às compras e cozinha e os colegas "machos" ajudarão...comendo!
E como a tropa é difícil de controlar no domínio da doçaria, parece que tem de haver bolo para finalizar.
Ela até se tinha lembrado de umas romãzitas, que ficam tão bem à mesa com umas castanhas, mas a coisa não colou.








segunda-feira, 6 de novembro de 2017

Fishnet tights...What?


Recordo-me de usar estas meias na minha adolescência.
Lembro-me de as vestir para um aniversário na casa de uma amiga da escola. Conjugadas com um belíssimo conjunto de camisola e mini saia de malha cor de rosa, numas pernas muito magrelas. Ficavam um must, como podem imaginar.
A toda esta produção acrescia o cabelo à vassourinha, depois de ter feito a primeira permanente.
Por essas alturas ouvia-se muita Madonna, Bon Jovi, Europe, faziam-se muitos bailes da vassoura...
Como se viviam as primeiras paixões, apostava-se tudo no outfitt e acreditava-se que o resultado era o melhor. O acne facial é que não ajudava.
Então, quando vi esta moda vintage reaparecer, em bom, pensei:
- Cecília, tu não podes perder o combóio. Atualiza-te mulher. Tu vai ver como é que a coisa se anda a usar por aí pelas it girls.
Agora tens oportunidade de te redimir daquele visual, dos doze anos.
Agora, que passaram quase.....ai Deus Nosso Senhor....trinta anos!!!! Cruzes credo!
Depois de muito pesquisar concluí que gostei, gostei deste regresso das fishnet tights, como lhes chamam. Bem mais chique do que no tempo das "meias de rede". Porque eram tempos menos "gourmet". As coisas não tinham nomes requintados. Eram mais "povo", sei lá!
Mas também apurei que é difícil usá-las e ficar bem. Ou melhor, é preciso saber como as usar.
Gosto da versão roqueira!




Adoro a versão mais chique, com saia ou calças. Mas tenho um bocado de dificuldade em gostar delas em formato soquete, com o cós a ver-se. No entanto, é sempre possível abrir uma ou outra exceção.








 E ficam muito jolies na versão desportiva.



Pensar que já mademoiselle Marilyn as adorava...
Ó tempo, volta para trás....